Data-centric: como colocar em prática uma arquitetura centrada em dados?

data centric

O data-centric se tornou uma cultura da atualidade que, se alguém ainda não aderiu, terá que repensar o futuro do seu negócio. Isso porque o mercado está intolerável a achismos e tentativas de inovação, vendas e afins sem que haja um embasamento para isso.

Nesse cenário, a previsibilidade se tornou um recurso obrigatório nas empresas, podendo até mesmo ser considerado vital. Hoje, é preciso considerar a arquitetura centrada em dados como uma realidade atual dentro das organizações.

Então, caso você ainda tenha dúvidas sobre o que é uma estrutura centralizada em dados, quais os benéficos e como aplicá-la, continue por aqui que vamos te explicar tudo sobre o tema!

Afinal, o que data-centric e arquitetura centralizada em dados têm em comum? 

Explicando de uma forma mais direta, ambos representam a mesma coisa. Ou seja, tanto o data-centric quanto a arquitetura centralizada em dados retratam um negócio estruturado sob os dados.

Então, quando nos referirmos a eles neste conteúdo, interprete como uma extensão, e não algo distinto.

É importante lembrar que, às vezes, o que parece óbvio para alguns, pode se tornar mais uma dúvida em meio a imensidão de novidades que têm surgido durante essa década. A inovação digital não para, e pode ficar difícil acompanhá-la.

Mas além de ficar por dentro dessas novas tendências, também é importante parar para refletir sobre isso…

Momento de refletir

Até três anos atrás era aceitável não ter a sua marca no meio digital. Hoje, isso já é símbolo de decadência e esquecimento — “tá, mas onde você quer chegar?”. 

A questão é: assim como aceitamos diversas mudanças atreladas ao universo tecnológico, por que não aderir aquilo que nos acompanha há séculos? Sim, os dados não são algo atual, eles já nos acompanham há um bom tempo.

E, hoje, graças à tecnologia, tudo é mensurável

A emergência de uma cultura data-centric

Se o seu sucesso pode estar a apenas um clique das mãos, porque deixá-lo ir embora? Estou trazendo muitas questões, né? Tudo isso é para que você compreenda a necessidade emergencial de aderir uma cultura data-centric

E esse termo nada mais é do que colocar os dados como centro de todo processo interno da empresa e, a partir dele, gerar demandas, inovação, buscar por recursos e alcançar clientes. Não de maneira convencional, naquele famoso “será que vai dar certo?”, mas com previsibilidade, direto não somente ao potencial lead, mas também ao que nomeamos de ideal.

Isso se estende desde a produção, time comercial, processos automatizados (softwares, aplicativos, CRM, etc.), até a equipe de T.I, por exemplo. Tudo para emergir de fato na cultura dos dados e alcançar a inteligência de negócio e vantagem competitiva

Mas quais os benefícios e pilares de uma cultura data-centric?

Quando citamos o data-centric, também estamos falando de um processo mais confiável e consistente

Isso porque utilizá-lo de maneira efetiva evitará qualquer possível cenário caótico, como perda de informação por algum corrompimento do servidor ou vazamento de dados durante a migração de informações para outro software.

Em outras palavras, na cultura data driven, todos os dados estariam disponibilizados e enraizados na estrutura da empresa, sem que abrisse margem para vulnerabilidade, perda ou violação de informação.

Interessante, né? Confira também outros benefícios e os pilares do data-centric

Acessibilidade

Quando falamos sobre segurança, não estamos apenas pontuando a confiabilidade, como citamos anteriormente, mas também a informação consistente e disponível a todo e qualquer momento.

Isso porque existe uma padronização do processo que integra os dados a todos os softwares e aplicativos utilizados na empresa: sendo a arquitetura completa dos dados ou, como também nomeamos, a arquitetura de dados contínua — quase como uma analogia para atrelar os dados como o pilar de uma empresa.

Proteção de dados 

Para que tudo flua de maneira adequada, se faz necessário que todos da equipe tenham acesso aos dados, mas, claro, em níveis diferentes de permissões. 

Ou seja, quando o processo está bem estruturado na arquitetura dos dados, a distribuição de informação se torna segura, organizada e controlável.

Neste caso, o próprio sistema inteligente pode compreender os arquivos considerados confidenciais e utilizará de meios para as devidas proteções.

Segurança

Quando tudo está integrado e organizado, os dados podem se tornar aliados do seu negócio. Isso porque essa estrutura proporciona um olhar amplo em relação a todas as movimentações da empresa e, consequentemente, auxilia na prevenção de possíveis desafios cibernéticos, fortalecendo as barreiras de segurança.

E, claro, por mais que ocorram algumas tentativas de invasões ou roubo dos dados, a estrutura se manterá. E mesmo que alguma máquina seja danificada, você terá outros recursos para recuperá-los, porque estará integrado em diversos softwares.

Praticidade

Quando uma empresa é integrada e estruturada na arquitetura dos dados, ela garante um acesso fácil e ágil a toda e qualquer informação contida em seu banco de informações. Isso acontece porque seus alicerces contam com uma vasta opção de mecanismos, softwares, servidores e máquinas para isso, permitindo o acesso de qualquer lugar e a qualquer hora.

Processo democrático

Assim como citamos anteriormente, para que os dados auxiliem nas estratégias de marketing e vendas, o processo deve estar integrado e acessível a todos, desde que possua as devidas restrições e níveis de acessos. 

A função desse acesso democrático nada mais é que alinhar a visão da equipe comercial ou de marketing em um só caminho. A integração não é direcionada apenas às máquinas mas também, como reforçamos aqui, na cultura geral da empresa.

Todos devem compreender, analisar e buscar por resultados e performance de acordo com o que os dados indicam ser o caminho ideal.

Como colocar em prática o data-centric?

Antes de tudo, é necessário compreender que um processo baseado em dados não surge do dia para a noite. É importante que ele seja estruturado com base em uma estratégia assertiva e softwares e profissionais qualificados.

Outro ponto é que a integração dos dados pode ser complexa e levar um tempo a mais do que o esperado. Então, é necessário realizar um treinamento que explique o realinhamento real da cultura, até porque isso impactará toda a empresa.

Mas, calma…

Isso não é um alerta para assustá-lo(a), muito menos desmotivá-lo(a). Considere apenas como uma explicação sincera para que você realmente reflita e anote tudo que for necessário no papel e, assim, com consciência, inicie as mudanças necessárias para aderir uma cultura data-centric

Então vamos às dicas?

O universo business intelligence originou a cultura data-centric, que nada mais é do que um processo integrado para funcionar de maneira otimizada e inteligente em que os dados norteiam as melhores performances de marketing e vendas. Mas para colocá-lo em prática de uma forma assertiva, é preciso seguir alguns passos…

Reestruture a mentalidade da empresa

A reestruturação da mentalidade inicia-se na liderança, ou seja, em quem tem o poder e influência na tomada de decisão, sejam gestores gerais ou até mesmo da equipe comercial e T.I. Somente a partir desse alinhamento é possível propor e desenvolver um ambiente adequado e preparado para essa mudança. 

Reúna-se com o time de T.I

Em seguida, reúna-se com a equipe de T.I para formular estratégias que irão guiar a reestruturação interna da empresa, seja promovendo padrões, regras e metodologias que serão seguidas para de fato o seu negócio obter uma cultura data-centric

Mapeie os dados

O momento mais esperado com certeza é a hora de mapear e organizar os dados, separá-los por pasta, hierarquia, categoria, modelo de arquitetura e moldá-los de acordo com a rotina e necessidade da empresa

Acompanhe a transformação 

Por fim, atente-se ao processo. Verifique se a equipe está sendo preparada e treinada para as mudanças e certifique-se que os dados estão sendo integrados corretamente, ou seja, se tudo o que o seu negócio precisa para viabilizar o processo de marketing e vendas está sendo considerado na hora da organização dos dados.

Assim, com tudo alinhado e uma visão ampla da estrutura, você consegue analisar se o caminho o qual está percorrendo está funcionando para a sua organização.

A jornada de migração para o universo dos dados não é fácil, mas, após concluída, a eficiência nos resultados é garantida. Os dados não mentem e, sem eles, nenhum negócio sobrevive.

Ainda não há comentários! Você é o primeiro a comentar